terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Reti.Sente...

Reticente...
Sentir...
Sente...
Ressentir...
Sentindo.
Muito.
Tudo.
Como sempre.

Estar reticente,talvez seja o pior dos sentimentos.
Pior,porque não identifica o que se passa,nem como tristeza,nem como raiva,nem como nostalgia.
Nem como nada.
Você simplesmente sente,o nada,ou o tudo,ou o nada dentro do tudo,ou...
O tudo dentro do nada.
A ordem dos fatores não alteram o produto.
E se for intenso como eu,provavelmente sentirá tudo com lente de aumento.
Pois é assim,que os sentidos são vistos por meu coração!
Com lupas...
Que me fazem sentir muito,ressentir muito.
E até o não sentir em mim,é muito.
Os espaços vazios são enormes,são abismos.
Os preenchidos,por sua vez,sempre cabem mais.
Eles também são exagerados.
Se é pra ser/existir/sentir/sentindo/sentido/sem sentido/ que seja inteiro.
E no final,ou nem final assim,você descobre que o estado 'reticente' da alma,é um estado em que você identifica,sabe o que é,porém,tem medo de mostrar.
Tem medo de soltar.
Tipo quando se cria um cão preso no quintal,...
Ele passa tanto tempo preso,que não se pode mais soltar.
O tempo preso,'congelado',esquecido 'no quintal'o fez virar um 'monstro'.
Sim,visto pelas lupas.
Assim como os sentidos.,esquecido do lado de dentro...


Ret-sente.
Sente.
Re-sentir.
Sentir.
Muito.Tudo.
O tudo dentro do nada,e o nada dentro do tudo.
Reticente.
...



'Se agregar não é segregar
Se agora for, foi-se a hora
Dispensar não é não pensar
Se saciou foi-se em bora
Quanta mudança alcança
O nosso ser posso ser assim daqui a pouco não
Quanta mudança alcança
O nosso ser posso ser assim daqui a pouco.
Se lembrar não é celebrar...
Dura - lhe a dor quando aflora
Esquecer não é perdoar
Se consagrou sangra agora[...]'
♪♫
"Reticente TM" 


PS: Reticente ou não.Sentindo ou não,identificando ou não...
'A poesia prevalece!'

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Espera,que o Sol já vem


Estou olhando pra esse editor há umas duas horas.
Abro,fecho,abro de novo. Leio textos antigos,leio meus últimos Twitts,e não consigo chegar a um denominador comum.
Olho pra dentro de mim,e não consigo encontrar as coisas organizadas em suas gavetas para poder me expressar.
Acho,que pela primeira vez,eu não sei o que sinto.
Talvez,isso ajude a me incomodar mais com a situação...
Loquei um filme,que por incrível que pareça já vi esse ano. 
Não gostei dele,achei de um péssimo gosto,e os personagens sofrem muito.
Até parece vida real isso...
Começa tudo lindo,vem um 'furacão' e arrasa com tudo,leva tudo.
Depois,lá vai os personagens acabados,tentar juntar o que restou da tempestade.
Juntei alguns restinhos da tempestade assistida no filme,colei os cacos,lixei as sobras que é pra ninguém perceber que foi quebrado/sofrido/machucado pelo furacão/vida...
Arrumei a casa,organizei as gavetas e os filmes assistidos...
Tava uma calmaria boa de se ver,mas eram sorrisos demais,gente feliz demais,e o brilho deles incomodaram.
Incomodaram a ponto de tirarem o filme de circulação.
Uma pena,seria record de público com certeza.
É que sorrisos atraem pessoas;nem todas.
Só as dispostas a trocarem as lágrimas por eles...
É que o filme faria sucesso demais,e a concorrência não suportaria 'perder' pra nós.
Um filme onde os personagens não choram,ou,choram de alegria seria um 'escândalo' pra mídia.
Um filme que faria sucesso sem sofrimento aparente?Fora de cogitação.
Fora de circulação!!!
Recolheram as cópias,recolheram os sorrisos,os abraços,as tardes de partilha.
Recolheram as colas das provas,recolheram as briguinhas,as reconciliações,as noites em claro falando e falando e falando...
Recolheram as 'toalhas' que secavam as lágrimas caídas,recolheram o intercessor,o ensinador,e como ensinava.
E como ensinaria...
E como ensinará...
E como atua bem em todos os filmes que faz...
E como vive lindamente a vida real...
Colorindo a vida alheia...
Trancada aqui dentro de mim,eu vejo pelos vitrais trincados do furacão anterior,o novo furacão passar.
Só espero que esse,por sua vez,não demore tanto a passar.
Tenho coisas importantes a fazer 'lá fora'.
Novos filmes,novos sorrisos...
Tenho de arrancar os 'joios do meio dos trigos'...
E com essa tempestade,fica impossível me exteriorizar,fica difícil sorrir lá fora.
Difícil sorrir aqui dentro.
Difícil de assistir aos filmes/vidas/sofridas.
Difícil crer que novos filmes virão.
Que as coisas serão novamente organizadas em suas gavetas.
Difícil crer que os vitrais serão trocados novamente.
É...
Acho que é melhor eu esperar.Esperar passar pra terminar de ver o filme.
Relâmpagos estragam os eletrodomésticos/sentimentos...
E não queremos isso não é mesmo?!
Assim que passar,cavarei um buraco no quintal,farei um 'esconderijo' que é pra quando outro furacão passar,eu tenha onde me esconder.
Onde esconder meu coração,pra que as lágrimas não mais se confundem com a tempestade.
Ficarei aqui...
Sentada,olhando pelos vitrais trincados,a fúria do furacão...
Logo vem a calmaria,e terminaremos esse filme.
Claro,com final feliz,e dia de sol...
Por falar em Sol,cadê ele?
Espera o furacão passar,e logo ele aparece.

'Espera,que o Sol já vem!'


Metaforicamente,expressando a falta dos raios solares,que iluminavam os dias do lado de dentro do coração!





sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Degustando o despertar da felicidade

 
Quando seus olhos acompanham palavras doces,que 'derretem' como açúcar ao encontrar a saliva quente.
E seu rosto não disfarça o encantamento pelo gostoso sabor dessas palavras. 
Derretidas.
Alimentando o coração,os sentidos e a alma...
Trazendo um novo começo.
E com ele,uma porção redobrada de serotonina,que é pra dar novo sentido ao que se chama de felicidade.
Não digo que voltou.
Porquê na verdade,nunca se foi de verdade.
Prefiro dizer que dormiu...
...Descansou o coração,deu novo sentido a saudade,assim como o da felicidade.
Dormiu/viajou/morreu/sangrou/chorou,e como chorou.
Choraram.
Morreram,assim sincronizados.
Tudo isso dentro de um suposto 'descanso' dormindo.
Sonhando,ou melhor morrendo/vivendo dentro de um pesadelo onde não se acordava.
Mas onde o prazer das palavras doces permaneceram.
Fazendo sorrir,os lábios a alma e o coração.
Permaneceu assim...
Dormindo,para viver um lindo despertar.
Despertar de sorrisos,abraços,palavras e cumplicidade.
Derretidos como açúcar ao encontrar com a saliva quente,e se fundindo.Se tornando um só verbo.
Um só,sentir um só degustar de açúcar e palavras doces.
E...
   ...E despertou para novamente viver. 
Ser feliz,e colorir meu céu como 'Firework'!

(Vivendo o despertar do sentir,e o degustar da felicidade.)


sábado, 10 de novembro de 2012

Firework,colorindo o céu...


"Do you ever feel
Already buried deep
Six feet under screams
But no one seems to hear a thing"

Sim...E como foi difícil me perceber enterrada,gritando sem que ninguém pudesse me ouvir.
Gritando como nos pesadelos,em que a gente grita mas ninguém nos escuta,porque não sai som de nossa garganta.
Um período de cordas vocais/sentimentos travados/trancados.
Passivo,inerte,imóvel,morto...
Um período de tons pálidos e ressecados de Outono,acinzentado.
Período onde imperou  o silêncio,o medo,a dor,a solidão,a saudade...
O período dos 'jogos' sozinha, de 'Exteriorizar dores', de 'Ter vontade de chorar',de 'Crescer doendo', de identificar a 'falta de cores e de peças'.
Período de 'Gente enferrujada', de ter a 'Saudade como um pedaço meu', de tentar 'Me fazer entender', de 'Querer ser livre como a borboleta', de 'Fazer mágicas',  de 'Odiar o amar'...
E hoje,vivendo a oportunidade do 'Restart',do 'reiniciar o jogo' e não mais jogar sozinha.Mas ter a melhor das companhias para os jogos.
Sim,no plural porque estamos 'tocando tudo',no jogo/vida e 'Guitar Hero' também. rs
Hoje não mais 'Me fazendo entender' sem cores,porque com a chegada do SIM elas também retornaram para seus lugares de origem,como uma explosão de cores...
Explodindo sorrisos-cores,abraços-vidas,gargalhadas-brigas,liberdade de borboleta colorida,pronta pra alçar voos.
Explodiu as cores do 'Firework' ao abraçar a liberdade,numa tarde cansada.
Podendo descansar o corpo e o coração,no melhor abraço.
Hoje,fogo de artifício tocando o céu e colorindo,céu/vidas...
Hoje não mais 'Sorriso de tinta',mas cores próprias de liberdade.
Você sabe que é amor,quando o tempo nem a distância leva.Você sabe que é amor quando,faz permanecer em você uma faísca de esperança,de certeza de que tudo daria certo.
Ainda que por vezes,o desanimo e os tons opacos tomasse conta...
E as vozes puderam sair,e a Borboleta pode voar ao abraço da Abelhinha...
Hoje voam/jogam/vivem/sorriem/choram/silenciam,juntas.
Sincronizadas,tocando e colorindo nosso céu,como fazem os 'Fogos de Artifício'.


"Cause baby you're a firework
Come on show 'em what you're worth
Make 'em go "Ah, ah, ah!"
As you shoot across the sky "Ah, ah!"








Vindo de outros planetas

"E a abelhinha chegou do trabalho sem entender muito bem o pq do riso bobo no rosto da borboleta...
Abriu-lhe o portão e os braços-asas e lhe pediu que entrasse com um convite sincero, louco e libertador... quase um grito rompendo um silencio de seis meses: - Acabou! contou a borboleta, meio sem jeito e sem enfeites...
A abelhinha assustou, olhou com um sorriso de medo-alegria pra borboleta...
Por um tempo n se soube o que mover dentro de dois seres impedidos de "se ter", de
ser, de com-viver-sentir-ouvir... Por um tempo n se soube como ser livre...
É como se os tivesse condicionado aos nãos e de repente um 'sim' os quebrou. É bem verdade que não foi um simples 'sim', foi 'O SIM'...
Daquele esperado por corações que já perdiam a esperança de o ter... É... e esses corações se viram perdidos... Como que suspensos num ponto de interrogação enorme feito balão dançando entre nuvens...
'E agora?'
Agora...
Bem, é hora de deixar ''nossas cores explodirem!!
Firework", é hora de recomeço!
Éh... Press Start no jogo do contente!!!

"Te dou o controle numero 1, com direito a coca-cola e nutella", hehehe... e n esqueci do 'Cuervo' kkkkkkkkk =P
TE AMOOOOOOOOOOOOOOOOOOO JUH!!!!
(ps: depois desse tempo todo merece teh ctrl-c/ctrl-v infinito!!!) S2 "




Merecia ser postado por motivos de: Não precisa de motivos!
Gratidão pelo presente Ferzinha

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Odeio amar você


Se não é eu quem vai fazer você feliz,guerra.♪♫

Percebi o quanto te odeio.
Odeio a forma como você invadiu meu coração,da mesma maneira que os 'sem terra' invadem e permanecem.
Odeio não conseguir pedir a reapropriação das 'minhas terras'.
Odeio a forma como me permiti ser conquistada.
Odeio assumir esse ciumesinho chato que insiste em cutucar meu coração.
Odeio não mais participar do seu dia-a-dia.Odeio você não dividi-lo mais comigo.
Odeio me sentir esquecida por você,como se não tivesse feito a mínima importância.
Odeio a sensação de te dividir com qualquer pessoa que seja.
Odeio aceitar que terei que ficar com os seus restinhos...
Restinho de atenção,restinho de amor,de afeto,de carinho.
Odeio levar em consideração a hipótese de ter sido esquecida,de não ter sido tão importante quanto foste para mim.
Odeio a forma como ocupou todos os espaços do meu coração,e como supriu todas as minhas necessidades.
Odeio a forma como me tornei dependente de seus sorrisos e lágrimas.
Odeio não estar mais ao seu lado.
Odeio a forma como você foi embora da minha vida.
Odeio imaginar que você pode ter perdido o caminho de volta.
Odeio como seu abraço me escondia e me protegia do mundo.
Odeio ter tantas lembranças lindas ao seu lado.
Odeio a forma como você me aceitou,sem nunca me julgar.
Odeio rever a forma como me acolhia.
Odeio lembrar de que só você me olhava de dentro,pra dentro de mim.
Odeio amar tanto alguém,e ser mal interpretada.
Odeio não poder demostrar.
Odeio me sentir presa dentro de mim mesma.
Odeio todos os que roubam seus sorrisos que eram meus.
Odeio não poder fazer parte da sua felicidade.
Odeio tentar te odiar,e fracassar.

Se não é eu quem vai fazer você feliz,guerra.♪♫



sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Sim salabim...

Ter tanto pra falar e não conseguir extrair exatamente.A arte que eu domino...
Coloca uma música boa no pc,faz um passeio pelas lembranças e pensamentos,para tentar tirar algo de dentro da cartola, assim,como uma mágica mesmo.
Mas,se tratando de sentimentos,não dá pra se fazer mágica,ou existe ou não.Simples assim.
Simples?
Nem sempre.
Nem sempre o que se passa dentro de nós, é simples como 1+1,por exemplo.
Talvez,por isso,só as palavras consigam nos traduzir.
Porque a matemática é simples demais,exata demais pra se traduzir sentimentos tão complexos,tão diferentes,tão ímpares,tão particulares,tão nossos.
A matemática não traduz,porque ela é exata (com suas fórmulas nada mágicas),pra todos que a usarem,independentemente.
O resultado será o mesmo,para mim e para você,(se fizermos a conta corretamente,claro).
As palavras não.Elas nos traduzem porque elas tem vida própria,personalidade própria.
Posso usar as mesmas palavras que você,e traduzir sentimentos diferentes.
Não é simples isso.Não dá pra ser simples como matemática,simples como mágica.
É complexo mesmo,e às vezes nem eu mesma intendo.
Porém,elas (as palavras) voam como pássaros quando soltos da gaiola,quando soltos da gaiola/coração.
E conseguem fazer o eterno paradoxo,em mágica simples.
A música continua tocando,e eu percebo que saiu algo em que eu desconhecia.
Nunca fui íntima da matemática,e consegui anexá-la à um texto,onde eu queria falar de sentimentos nada simples.
É,ficou estranho isso.
Matemática,mágica e português juntos,extraindo a loucura de alguém que mergulha dentro de si,pra tirar o que lhe incomoda,ou não.
A mágica  de falar de sentimentos e confundir o leitor.
Ok Juh,vamos parar por aqui,antes que piore.
Disse que não conseguiria falar exatamente né?
Essa coisa de exatas,não é comigo.
Ainda bem que eu falo do mundo do sentir,ou sente ou não.
E hoje eu sinto.Muito tudo.Como sempre.
Melhor assim.Sem mágicas.
Conseguindo ser exata,ou não.

Eu me fiz entender?

Coisa de louco,extraindo minha bagunça interior.

PS: 'Ter tanto pra falar e não conseguir extrair exatamente.A arte que eu domino'


"Sim salabim,confusão"

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Se o encontrar,devolva-o por favor

Fui assaltada.
Me roubaram um amigo e agora?...
Me tiraram os sorrisos sinceros.
Tiraram meu esconderijo,aquele abraço...
O único abraço onde eu podia me esconder e me perder...
Me tiraram os telefonemas antes de dormir.
Os telefonemas as 06:00 hs pra me deixar irritada por me acordar tão cedo.Coisa de melhores amigos.
Me tiraram as visitas inesperadas.
Os passeios a tarde.
Os papos à beira do lago,admirando a beleza da natureza.
Me tiraram meu porto seguro.
Meus papos filosóficos.
Me roubaram meus olhos,meu sorriso,meu tato.
Me roubaram todos os sentidos que me faziam sentir,aprender e viver.
Tiraram o ar dos meus pulmões,o sopro das minhas narinas.
Me roubaram os suspiros,após longos minutos em crise de riso.
Me tiraram os ouvidos,hoje não há mais ouvidos pra me escutar.
Me tiraram os ombros onde eu podia descansar e relaxar.
Me devolveram a máscara de sorriso fixo no rosto,tiraram minha autenticidade de ser.
Hoje finjo que vivo...Assim,meio morto.
Meio feliz,meio sorriso,meio abraço,meio oi.
Me tiraram as tardes de brigadeiro e gargalhadas.
Me roubaram tudo o que eu era,ou,que eu sou.
É tanta confusão.
É tanta saudade.
São tantas palavras não ditas.
É tanto ' e agora?',tantas ruas sem saída,que me perco.
Me perco,porque me roubaram os olhos,lembra?
Já não sei mais o que sou,o que quero,o que devo ou não fazer.
As ruas são escuras,e desacompanhada eu tenho medo de sair do lugar,e dar um passo que seja.
Quanta melancolia...
Palavras e sentidos desordenados.Porque é assim que tá tudo aqui dentro.
Essa bagunça no escuro.
Esperando que me devolvam meu presente,a lanterna que me iluminava,pra que eu volte a ver.
Volte a viver.
Volte a ser.

Entre soluços e lágrimas,exteriorizando a tristeza de um assalto.
Me roubaram um amigo!
Se o encontrar,devolva-o o por favor.


quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Eu,borboleta


Nascem larvas,feias,estranhas,com tom amarronzado...ar de tristeza.
Por sua natureza,deve passar um tempo,um 'bom tempo' trancada,em um submundo chamado casulo.
Tempo sofrido,de solidão,sabe que não cabe mais ninguém ali.
Nem se coubesse,ela ousaria mostrar sua realidade de larva,pra qualquer outro ser que fosse.
Ela vive esse período trancada.
Uma genuína metamorfose...
Eu,ser humano/borboleta,tenho mais delas do que de mim mesma.
Sou uma larva em processo de transformação,porém,sem tempo específico para sair do meu casulo.
Habita em mim o silêncio,que nada difere do meu 'eu borboleta'...
Silêncio esse,que também vive um período trancado em seu casulo.
Esperando que alguém o liberte talvez,para colorir os sons/tons,que precisam de suas cores de borboleta.
Pronta pra encantar,pronta pra falar...
Eu/silêncio/borboleta,vivendo essa metamorfose interior.
Esperando o tempo certo de sair,e colorir o céu com meus tons de borboleta,não mais pálidos de larva.
Esperando que a metamorfose,também transforme o silêncio,em voz afinada e colorida,para 'colorir' o ouvido alheio.
Esperando,que esse casulo/tempo chegue ao fim,e me faça livre para voar.
Livre pra ser.
Ser gente/borboleta colorida.
Livre pra falar.
Livre pra viver.
Livre pra pousar nas flores e encantar pessoas.
Com um ar de gente,e a delicadeza das borboletas.
O tempo passou!
Silêncio pronto pra ser tom afinado.
Eu,pronta pra viver a liberdade de borboleta.
Casulo,já pode abrir!
Terminou a metamorfose.
Tô pronta!








domingo, 23 de setembro de 2012

Me fazendo entender

"Tira, a máscara que cobre o seu rosto.
Se mostre e eu descubro se eu gosto.
Do seu verdadeiro, jeito de ser.
♪♫”




Tire sua máscara pra falar comigo...

Ando duvidando de tudo e de todos.Todos que dizem,ou disseram gostar de mim algum dia.
Palavras podem até me convencer (momentaneamente),mas suas atitudes dirão se você merece ou não, minha consideração e respeito.
Comecei a ver,que nem todos os que disseram gostar mim,realmente o sentem,e os que nunca disseram,provam com suas atitudes o contrário dos que dizem/disseram.
Não quero e não preciso de ninguém que finja ter por mim algum tipo de sentimento,positivo ou negativo. Preciso e gosto de pessoas autênticas e verdadeiras naquilo que pensam,e sentem.
Não simule carinho por mim, uma vez que não o sente, porque máscaras desbotam e caem, e verdades permanecem mesmo com o passar do tempo.
Não preciso de abraços distantes, que entrelaçam os braços, mas não entrelaçam almas.
Para mim,o que realmente conta ,é o que se torna concreto quando se deparam com minhas imperfeições.
Sinceramente, se não está disposto a conhecer e aceitar minhas imperfeições, não merece que seja apreciado por meu coração.
'O que não me acrescenta,não me fará falta'.
Gosto de coisas, sentimentos e pessoas inteiras.
Não aceito ninguém pela metade.
Se é pra ser inteiro,fique.Se é pra ser metade, fique a vontade e, se retire da minha vida.
Mais um,menos um... Não faz diferença. O que faz diferença não se vai, nem com a morte.
Fica, ainda que falte presença física...
Almas uma vez entrelaçadas,jamais se deslaçam.

(Para bom entendedor,me entender. Ou,tentar pelo menos.)



terça-feira, 18 de setembro de 2012

Saudade:pedaço de mim

Clarice descreveu sua saudade como fome,uma incrível necessidade de se comer a presença...
É também isso.Mas a minha (saudade)se alojou aqui,no avesso do meu lado externo,e sim já é um pedaço de mim.
Cheguei a conclusão de que,minha saudade não é só um sentimento,ou um estado de espírito...
Minha saudade,é minha,no sentido de possuir mesmo.Porque se fundiu às minhas células,e se tornou um pedaço meu.
Assim,como se fosse um 'dedo a mais'.
Como se fosse uma 'má formação do coração'.
Uma 'anomalia' dos sentidos/internos-da alma.
Uma vontade infinita de fundir a presença que falta,á alma que sente a falta dessa 'presença faltosa'.
Meio complexo,um tanto quanto estranho eu sei.
Mas é exatamente assim,que se manifesta essa falta aqui dentro.
Essa saudade fundida,se tornando pedaço de mim.




terça-feira, 4 de setembro de 2012

Restart

Onde é o pause?Ou o stop?Ou aquele botão que reinicia o jogo?
Preciso dar restart e começar tudo novo pq cansei de game over...
Preciso aprender a 'jogar' logo essa parada,pra ver se paro de perder e mudo de fase.

Evoluo,e 'mato o chefão' logo pra terminar com isso.
Se você souber você me conta?
Ou,pelo menos joga comigo?
Eu te dou o controle 1,com direito a coca-cola pra acompanhante.
Mas,me faz companhia nesse jogo,e me diz qual botão apertar na hora certa?
Me ensina 'as manhas'?
Joga comigo ate ficar de manha?
Perde e ganha comigo?
Ou ganha e perde...tanto faz.
Mas fica nesse sofá-vida do meu lado sempre?
Sem perdas,sem pause,sem game over.

Até terminarmos o jogo e pudermos ir 'dormir' em paz.

(Viagem a outros planetas)

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

"Sentimento de lata/Ferrugem de gente"



Eis que um ser  supostamente 'de lata',se 'encanta' por alguém diferente de sua realidade 'física.'
Algo impossível,tendo em vista que elas são desprovidas de sentimentos e emoções.
A pobre latinha vive esse 'sentimento platônico' em silêncio.Por um tempo,prefere não exteriorizar o que 'sente'.
Até que o sentimento cresce,como acontece com os seres humanos(quando eles se permitem),e ela não consegue mais conter a 'inundação de sentidos' dentro dela e mergulha-fundo,se afoga.
E esquece que latas não devem se molhar.
O tempo vivido 'cego' durante aquela inundação de sentidos faz com que ela não perceba sua ferrugem que começa aparecer em suas dobras-falhas-'humanas'.
A lata começa a ranger como uma porta enferrujada,range, 'sangra','chora'.
'Encantada',promete a si mesma não se permitir adentrar nesse 'lago profundo' que é o sentir.
E percebe que precisa aprender a viver como lata,e a cumprir sua tarefa de existência.
Simplesmente,ser-lata.
E deixar isso para os que foram criados propriamente para o 'sentir'.
O problema é que,os que foram criados para sentir,querem ser ou,se comportam como lata.
E preferem não sentir.
Assim,as 'criaturas' ficam desordenadas,cumprindo funções que não foram pré-estabelecidas por suas naturezas.
O que se faz,quando latas 'querem sentir',e seres humanos preferem ser como latas?
Latas 'se encantam' por seres humanos e humanos tapam os olhos dos sentidos por medo de se abrir ou, enferrujar quando por acaso as lágrimas escorrerem por suas 'falhas-humanas'.
Hoje,sou um pouco lata e um pouco gente.
Porém,ambos enferrujaram.
Se molharam nos rios-lágrimas que existem no mundo do sentir.
Precisando de 'óleo' nas minhas 'ferrugens de gente.'

Quando se sente,independente se é lata ou gente,não há necessidade de fazer sentido.
Permita-se sentir.







sábado, 11 de agosto de 2012

Feliz dia dos pais,papai...

Hoje eu ouvi que não deveria lamentar sua ausência...
Como não o fazer?
Foram raros os abraços dados e recebidos no dia dos pais,mas os telefonemas sempre existiram.
E hoje eu sinto falta da sua voz do outro lado da linha agradecendo sua 'neguinha' pelos parabéns.
Eu me contentava em somente ouvi-lo,eu juro que contentava.Mas hoje eu sinto falta dos abraços não dados,e que nunca mais poderemos fazer.
Ser pai não é somente ter uma presença masculina em casa.Eu nunca tive.
Mas sempre tive convicção de ter um pai,ainda que para outras pessoas isso não fosse suficiente.
Para mim era.Tê-lo de vez em quando,ou duas vezes ao ano que fosse...
Para mim,era mais que suficiente,eram mágicos esses momentos.
E não venha ninguém me dizer,que não devo sofrer sua ausência por não ter 'convivido' tanto ao seu lado.
Onde está escrito que para amar seu pai deve-se viver 24 horas ao seu lado?
Não.
Vivi muito pouco com o senhor.Mas foi o suficiente para me fazer essa falta danada.
Para me deixar esse buraco no peito,que nada,nem ninguém preenche.
O suficiente para chorar toda vez que sonho com o senhor.
O suficiente para chorar toda vez que vejo um carro da cemig na rua,e saber que não é meu pai que tá la dentro pra me dar tchau e gritar um 'Deus te abençoe minha filha'.
O suficiente pra me derramar em lágrimas escrevendo esse texto,porque o senhor não vai lê-lo.Nem ouvi-lo.
Vida ingrata essa!!!Mas prometo que não vou reclamar.Mas sim agradecer.
Agradecer à Deus,nossos raros momentos juntos,mas que foram lindos.
Agradecer à Deus,por ter me dado de presente o melhor pai do mundo.Ainda que os outros não pensem assim.
Agradecer à Deus,por eu ter convivido com alguém que me deixou de herança a melhor personalidade que eu pudesse ter.
Agradecer à Deus,porque você me deu tudo o que pode,é nisso que eu acredito Papai.
Irmãos lindos,sobrinhos lindos...
Talvez não tenha sido meu herói como é o sonho de todas as meninas,mas foi a pessoa mais incrível que eu conheci.
Feliz dia dos pais papai,daí da onde o senhor estiver.
#FazFalta
:'(

"Confusão organizada"

Abri e fechei  esse editor 'mil vezes' hoje...
Acho que tenho tanto pra falar,que as palavras me traem e não são capazes de extrair tudo que ta aqui dentro.
Notei que é mais fácil escrever quando se tem 'alguém imparcial' me ajudando,tirando de mim coisas que talvez eu mesma desconheço.
Agora Senhorita Juh andará com as próprias pernas,ou,escreverá com suas próprias mãos;sem ajuda,sem alguém pra segurar a sua mão.Ou alguém pra te ensinar a escrever em 'letra cursiva'.
É...vai,pega seu lápis cinza mesmo,esquece as cores.
Hoje elas não tem mais importância,enfatize as palavras-viveres-internos.
Notei que  as cores são supérfluas,quando se tem necessidade em exteriorizar seu desespero.
Desespero do medo do tempo levar o que ainda resta,medo de se perder pra sempre,medo de não ser capaz de compartilhar mais os sentidos,medo do nunca mais,medo do pra sempre ser uma verdade inventada;medo,medo,medo.
Saudade,falta,medo.Ele (o medo)sempre volta,nos pensamentos,nos sentimentos...
Maldito medo.
Não.Não é um texto redundante,é somente um retrato real dos meus sentimentos hoje.
Um retrato,'preto e branco',cinza,triste,nostálgico do lado avesso do meu exterior.
Nada bonito.
A não ser,que sofrer seja bonito.Aí sim,seria um lindo retrato desse 'feio' sentimento.
É,parece que tá fluindo,mas ainda falta alguma coisa.Percebe?
Ando percebendo tanta coisa...
Minto,não são muitas,é uma só.A falta.
Ela,assim como o medo,tá se fazendo assiduamente presente.
Estranho neh?!
Uma 'falta'/presente!
Ou,uma presença distante?
Presente,do lado de dentro.
Confuso?É,talvez seja.
Mas eu nunca fui exatamente exata.Não o serei agora.Certo?
Quem sabe...
Quem sabe onde,quando,cadê?
Aqui,esquece!
Acho que fico com a segunda opção.Sempre,desde a escola,a primeira opção não é muito segura.
A presença distante,'presente' pra mim,presença em mim...
É mais importante assim,'daqui,de dentro,ninguém tira'.Sacou?!
Coisa estranha Juh.
Sim,'meu estranho natural'.
Parece que notei por aqui mais coisas,do que quando somente penso,ou somente sinto.
Compartilhando pensamentos,sentidos e 'faltas/presentes'.
Não precisa entender.
Sinta como eu sinto.Muito,tudo!






quinta-feira, 2 de agosto de 2012

'Dando' brilho às estrelas



Hoje o céu ganha mais uma estrela reconhecida e autenticada por mim.
Soa um tanto quanto infantil dizer assim,mas é que quando se é criança as dores doem menos,até mesmo sabendo que nunca mais se verá alguém.
Hoje é um daqueles dias que me faz ter saudade da infância.
Eu me machucava,minha mãe vinha,dava aquele beijo cheio de amor e curava os ralados.
É...

Hoje é um daqueles dias em que gostaria muito de receber o beijo de mãe no coração. 
Dizem que nossos sentimentos são organizados em 'gavetas' no nosso coração;hoje um beijo na 'gaveta' da saudade curaria toda dor que invade esse músculo.
Acredito que a gaveta do meu coração não foi suficiente pra guardar toda saudade que habita nele,de todas as pessoas que já se foram da minha vida ou já viraram estrelas,e transbordou...
Toda a saudade sentida por mim até hoje,elas se fundiram,se fortaleceram e fizeram um motim.
E eu,me rendi...
Eu.Me.Rendo.
Sim,só por hoje eu me rendo.
Amanha eu volto a ser forte,eu volto a sorrir.
Mas hoje,eu me revolto contra a morte,mesmo reconhecendo o brilho das estrelas.
Hoje eu me rendo a saudade.
Saudade da infância.
Saudade de dores menos doídas.
Saudade dos beijos que curavam.
Saudade de quando eu não reconhecia nenhuma estrela no céu como minhas.
Porque hoje,o brilho dessas estrelas me trazem nostalgia ao invés de admiração.
Hoje eu quero exercer o meu direito de me render à ‘tristeza’ de ter tantas estrelas no céu.
Estou de luto.
Hoje,amanha não mais.E se é assim que tem que ser.
Que seja intenso,como tudo em mim.
Intenso,como o brilho das 
minhas estrelas’.

(Saudade compartilhada,dando vida e lugar às palavras)

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Sopa de letrinhas


Dia do escritor...


Há aqueles que pensam que para ser escritor precisa de curso superior,alvará e reconhecimento público...
Eu particularmente acho que,para ser escritor precisa apenas saber sentir.
Sabendo sentir,você identifica o sentimento,se apresenta a ele,fica íntimo e passa a traduzi-lo na arte de escrever.
Mas é bom que você ame as palavras,seja ousado e intenso...
Aaa...
 Se você as amar,elas te retribuirão o carinho e saltarão do seu coração direto pro papel.
Seja honesto e sincero consigo mesmo...
Não da pra se escrever sobre sentimento se não o sente verdadeiramente.
Um bom escritor,escreve aquilo que foi experimentado por ele mesmo,e leva o leitor a saborear os seus viveres através do gosto das palavras.
Parabéns escritores!!!  

(especialmente para minha escritora favorita)

terça-feira, 24 de julho de 2012

Doce ilusão é o circo



Ser palhaço...
Linda e triste profissão.
Linda por esquecer suas próprias tristezas para alegrar um outro ser,iluminar um outro ser.
Por guardar sua dor no bolso como diria Clarice,e se por a disposição de aliviar a dor de um outro.
A dor de dentro-da alma.
E triste por exigir uma força além de todas as outras.
Por exigir um auto-equilíbrio de suas emoções,pelo mesmo motivo de iluminar o outro.
E quem disse que aquele sorriso pintado no rosto dele é verdadeiro?
Tinta;diluída em água,em lágrimas...
O rosto é pintado creio eu,justamente para disfarçar o que se passa do lado de dentro dele.
Para que ninguém o descubra,nem descubra o tamanho da dor que habita naquele ser mágico e iluminado.
Só os fortes são capazes de escancarar suas tristezas,talvez,ser palhaço seja também um pouco de covardia...
Ou,o ser mais generoso que existe.
Sim.
Converte suas lágrimas e tristezas,em sorriso de tinta.
Que alegra,e ilumina.
Doce ilusão é o circo.
Frustrações transformadas em arte...
Nada difere do poeta.
Ele que traduz dor em palavras bonitas,que derretem como açúcar ao se encontrar com a saliva quente.
Um ser triste,iluminando seres por ai.
Doce ilusão é o circo;é mesmo generoso ser palhaço.

"Fechou-se o circo e tudo virou noite!
E no escuro que ninguém pode ver"


(Visita à outros mundos,outros planetas ³)

Tudo novo,de novo!

Percebi o quanto me faz falta escrever...
Me exteriorizar,ou, tentar pelo menos.
Saudade de me fazer entender,de argumentar e expor meus pontos de vista.
Saudade de 'ler-me', traduzir-me em palavras coisas que às vezes nem eu entendo.
O Asteroide voltou.
Por,mim mesma!!!
=D

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Não há título.

Descobri que a  vida é um livro cuja história sou eu mesma que escrevo...
Depende de mim,se nele haverá,dramas,comédias ou aventuras.
Às vezes,a gente 'escreve' palavras erradas,esquece de por vírgula,abrir parênteses;esquece das aspas,das exclamações.
E sempre 'termina' com uma reticencias.
E de propósito não se coloca o  ponto final.
Chega um 'ponto' que você pára pra ler o que foi escrito por suas próprias mãos.
E percebe que existe partes que não necessariamente precisavam ter sido impressas naquela folha.
Para não correr-se o risco de essas páginas serem lidas,relidas,revividas no futuro. 
Ao invés de ponto final na historia,eu arranco as páginas do livro,já marcou o suficiente.
Não precisa de registros caligráficos,já bastam os da memória...
Lendo um novo livro...
Alguns capítulos deste, não precisa ser lidos por ninguém.
Sem registros...
Faltando páginas agora.
É assim que tem que ser?
É assim que vai ser!
.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Sobre Cores & Viveres

[...]as 'paginas em branco' que tanto queriamos ver preenchidas, coloridas, ou simplesmente riscadas com um lapis cinza...[...]
por: Fer Siqueira


Nos perceber incompletos pode doer mesmo,e mais ainda nos perceber singular,quando tudo o que precisamos é o plural,composto talvez;composto de cores.
Colorir o nosso papel em branco,ou quem sabe uma imagem preto e branco depende de nós mesmos,e não de uma caixa de lápis de cor perdida no tempo.
O nosso colorir é nós mesmos que fazemos.Simplesmente vivendo.
Ainda que numa situação de vazio,de solidão de falta de afeto e carinho.
E de repente a cor tá na nossa frente debaixo dos nossos olhos,mas por medo de não ficar um colorido legal a gente inconscientemente prefere deixar o papel em branco ao sair por ai procurando lápis,giz de cera,canetinhas coloridas pra colorir o viver.
Medo de se descobrir artista capaz de colorir a própria arte-vida.
Não olhar somente pro passado com o ar nostálgico de que lá as páginas eram coloridos e tinham vida.
Mas olhar pro hoje,e porque não pro amanha e sair a caça.
Onde foi que eu deixei meus objetos de por cor na vida?
Em que canto do viver eu os deixei escondidos por medo das cores desconhecidas?
Tenha certeza de que elas estão por ai,(as cores) ansiosas por cumprir sua tarefa de existência,que é colorir o nosso viver.
Da uma olhadinha nos cantos,ou tente lembrar onde foi q as viu pela última vez,e saia por ai colorindo a vida.
Tirando os tons opacos e se tornando o maior artista plastico que pode existir se tratando de cores e viveres.


(viagem a outros mundos,outros planetas²)

O sentido da peça que faltava

"Por outro lado, o quebra-cabeças do viver não nos impõe limites - não existem peças de contorno, que delimitam até onde podemos ou não ser preenchidos, completos, inteiros..."
                                        (Fer Siqueira)


[...]A ânsia de ser preenchida novamente é maior que os limites impostos pelos formatos das peças.
E de repente com o passar do tempo,você olha pra traz e vê que muitas peças se encaixaram,mas que talvez pelo tamanho pequeno a gente as perde no caminho.
Mas me permito o desafio de prosseguir sem elas,e me permito ser encaixe pra outros quebra cabeças que assim como o meu,necessitam ser preenchidos e completos.
É esse o sentido.
Não focar somente nas peças que me faltam,mas me permitir ser a peça que faltava pra completar um outro quebra cabeça-gente.
E assim,a gente descobre o prazer de ser peça,de ser quebra cabeça incompleto,e ir além.
Ser a peça que preenche um outro.
Talvez por isso todos temos esses espaços.
Exatamente pra outra peça vir e me completar;e assim sendo,tornando um só quebra cabeças...
Os espaços existem pra serem 'lindamente preenchidos'.


(viagem a outros mundos-outros planetas.)

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Porque crescer sem doer,é inevitável


Aí você se percebe adulto...
Você caminha pela vida,cada fase uma estação.
Como num jogo de game onde precisa mudar de faze...
Você se depara com situações difíceis,muito difíceis e doloridas.
E dá vontade de gritar sua mãe,como há um tempo atrás  faria.
Gritava a mãe quando subia numa árvore e não conseguia descer,tinha medo de pular,e não lembrava mais o caminho de volta ao chão.
Uma pena que quando se é adulto,não tem a quem gritar pra te tirar dessa ‘enrascada’ que você mesmo se meteu.
Você sobe demais nessa árvore-vida,e depois não sabe o caminho de volta dos ‘erros’ cometidos.
E ai,você se acomoda lá em cima,se encaixa entre um galho e outro,até que começa a anoitecer,você não vê ninguém capaz de te tirar de lá;suas costas começam a doer.
Suas pernas pesam pela falta de movimentação lá em cima.
Desespero.
Depende só de você,descer ou continuar lá em cima sozinho,com dor...
Você grita.
Em vão,quem poderia te ouvir lá de cima?
Como o caminho de volta você não sabe mais,se iludiu de tal forma que esqueceu de tudo,de todos,de tudo que já escutara sobre a ‘árvore’-vida.
Decisão...
Você salta.
Cai em cheio no chão.Duro,gélido,sozinha.
Como adulta agora,você tem que lidar com seus machucados,feridas e arranhões dos galhos da árvore.
Não somente lidar,cuidar,lavar com sabão,desinfetar tudo.
Arde,dói.
Não sabe se dói mais o ardor dos machucados,ou o ardor da sua solidão por ter crescido.
O fato é,crescer,viver,se machucar,sofrer,amar,morrer,subir e cair de árvores,sempre foi e sempre será inevitável.
Só assim você se descobre adulto,maduro,dono e responsável de seu destino.
Caí,machuquei,sangrei,chorei.
Me levantei,bati a poeira,lavei os machucados,passei remédios usados na infância;amor e paciência.
Já me encontro pronta pra outra,outras árvores.
Outros viveres,outras feridas e crescimentos.
Porque crescer  sem dor é também inevitável.

quinta-feira, 14 de junho de 2012



O que se faz, quando se tem vontade de chorar?
As lágrimas chegavam aos olhos com facilidade, mas ele não as deixava cair.
Não, não era vergonha.
Era um choro contido. Choro bandido. Escuso.
Saudade?
Não sabia se isso existia.
Corria, por lugares, por de sóis, mares.
Corria pela vida...
Passado, presente, futuro. Do que viveu, e do que um dia quem sabe viveria.
Cansado, não parava ainda assim.
Queria chorar, e tinha medo de que as lágrimas não tivessem fim.
A vontade era desligar o telefone, o computador, os olhos, o sentimento, o coração, a mente. 
Parar de tudo, inexistir.
Vontade de inexistir, existir, resistir, desistir, correr, correr, correr.
Voltar, juntar o que ficou, o que restou, aquelas velhas fotos preto e branco, ainda não reveladas, juntar as sandálias trocadas, juntar as lágrimas caídas, e seguir.
(autor desconhecido)

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Externo-me,interiorizando-me...



E de repente,me pego noutro planeta talvez muito maior que este.
Faço viagens,vou à lugares jamais visitados por qualquer vida na terra.
Me vejo perdida nessas ‘viagens’ e só um chacoalhão pode me tirar de lá...
Penso.Logo, (des) - existo

Pensar...(ando)
É lá que me perco,e talvez me encontre.Ou me encontro e depois me perco.
Não sei identificar a ordem.
Pensei em mudar,em aceitar,em me revoltar,pensei em sumir,em mandar tudo pro alto.
Pensei em simplesmente não pensar mais.
Em não agir,em ficar inerte a toda e qualquer situação.
Pensei em falar tudo o que pensava,mas meus pensamentos me diziam que não valeria a pena.
Pensei em ir,em ficar.
Em voar,e em submergir em mim mesma-em meus pensamentos. 

Pensei em sonhar,e em 'cair na realidade.'
Pensei em duvidar,em acreditar,em dar chances.
Em simplesmente não ouvir.
Pensei em continuar pensando.
Passeando...em mim,dentro de mim.
Esse é meu problema,pensar demais.
Faço meus cálculos,analiso daqui,dali...
Nunca fui boa em matemática,e meus resultados finais nem sempre são positivos!

#externando-me 

terça-feira, 5 de junho de 2012

Exprimindo faltas...




Saudade com gosto salgado de lágrimas noturnas e solitárias.
Com sons silenciosos de estalos escancaradamente escondidos.
Com formatos de ‘conchas’ perfeitamente desajustadas em um sub-mundo;
Sub-planeta.
Saudade com cheiro nostálgico daqueles olhos que sorriam ao me olhar de dentro;
para dentro de mim.
Saudade com o conserto duplo de pianos-vidas;
vidas consertando histórias.
saudades divididas...
Compartilhadas...
entre gosto,sons,formatos,cheiros e teclas.
Vidas vividas longe,porém juntas.
Do lado de dentro, 
dos olhos,
dos sons,
do viver,
do coração,
do sent-[ir].
Da - saudade.

ps:em um domingo qualquer.

sábado, 19 de maio de 2012

Eu tranco a porta 

pra todas as mentiras


E a verdade também, está lá fora.


Agora, a porta está trancada,


A porta fechada


me lembra você a toda hora.


A hora me lembra o tempo que se perdeu


Perder é não ter a bússola.


É não ter aquilo que era seu


E o que você quer?


Orientação?


Eu tranco a porta pra todos os gritos 


E o silêncio também está lá fora


Agora a porta está trancada


Eu pulo as janelas


Será que eu tô trancado aqui dentro?


Será que você tá trancado lá fora?


Será que eu ainda te desoriento?


Será que as perguntas são certas?


Então eu me tranco em você


E deixo as portas abertas 

.
"Trancado Ana Carolina"

quarta-feira, 16 de maio de 2012

esperar(ando)




Os sentimentos agora ordenados gritam pra que sejam cumpridos suas respectivas vontades,sonhos e desejos...
Gritam em vão,já que seus sonhos não dependem de um,e sim de um ‘dois’.
Como é complicado esperar...
Esperar que nossos sonhos e vontades coincidem.
Esperar que o tempo que é senhor de tudo conserte este ‘mal’ que ele mesmo o fez.
Esperar que a coragem te atinja em cheio no peito...
Esperar o encontro.
O toque.
O não.
O sim.
Esperar o ‘eu’...
O nós.
O amor.
Esperar que passe e que chegue logo.
Es- pe-errar.
Esperar amar,
amor,
você.
Esperar o fim?


"Esperar dói . Esquecer dói.
Mas não saber se deve esperar ou esquecer é a pior das dores. Paulo Coelho"

terça-feira, 1 de maio de 2012



E se achar que eu já não sirvo pra mais nada – ouse  olhar pra dentro de mim...

Verá que eu ainda sirvo para amar.


domingo, 29 de abril de 2012

Sem rótulos por favor...




Não quero ser uma pessoa religiosa,tipo as 'beatas' amigas da minha avó que se encontram para o chá das cinco,e só são boas para elas mesmas.
Quero sim ser diferente,não alternativa.
Sem essas paradas de rótulos,(se assumo uma posição Cristã sou santa,se não a tenho sou alternativa).
Só sou eu mesma,nada além disso por favor.
Rótulos cansam,me dá uma certa ‘preguiça’,esses padrões criados pelas ‘tribos’ seja ela qual for.
Fazer a diferença para mim,é ser Cristã nas atitudes,no viver diferente,ser um ser humano melhor.
Diferente até mesmo do que a religiosidade prega.
Se você se prende à doutrinas você limita sua fé,limita o seu viver.
E definitivamente eu não tenho limites.
Nem pra sofrer,nem pra ser feliz,nem pra ser Cristã,nem pra aprender.
Cristo,foi além dos limites na época em que Ele viveu,e de certa forma é isso que desejo para mim.
Ir além dos limites da época em que vivo,além dos limites da religiosidade e da doutrina.
O meu viver livre,rompe as barreiras impostas pelas doutrinas e pela sociedade em si.
Ser Cristão não é somente estar na Igreja e ter uma vida ativa nela.
Ser Cristão é ver o outro com os olhos que Jesus teria olhando pra eles.
Não se sentindo melhor nem pior que ele.Mas se colocando no mesmo patamar,tendo consciência de que o Cristo morreu por todos,independente do ‘erro’ que ele comete/cometeu.
Ser Cristão não é me comparar com um jovem que vejo na rua bebendo,e se drogando e ‘se perdendo’ no mundo,como dizem por ai.É olhá-lo como sendo igual a mim em tudo.
A diferença está nas fraquezas que temos,talvez a fraqueza dele seja o álcool,isso não me torna melhor que ele,já que eu também tenho as minhas.
A religiosidade te coloca num altar imaginário,onde você inconscientemente se vê numa situação melhor que outro,já q você está ‘dentro’ da igreja.
Mas será que a igreja está dentro de você?
Tendo em vista que a igreja de Cristo somos nós,os irmãos d’Ele.
Logo,as outras pessoas (essas mesmas que você se sente melhor que elas);será que elas que é ‘a igreja corpo de Cristo’ se encontra dentro de você?
Enquanto eu estiver vendo o erro do outro,a fraqueza do outro,ou o que ele tem de diferente de mim,antes de vê-lo como igual a mim em tudo,definitivamente eu estou sendo um falso Cristão.
Já que,Cristo nos vê e nos ama com a mesma medida,não fazendo distinção de pessoas.
Não quero ser boa para os que convivem comigo.
Pelo contrário,quero ser ‘boa’ no julgamento daqueles que não me conhecem.
Mas,que vêem nas minhas atitudes e no meu comportamento aquele ‘q’ de diferente,de pessoa boa.
Que eu possa me enxergar no outro,vendo o quão parecidos somos e que,o que muda é a fraqueza,mas que todos nós a temos nas nossas particularidades.
Que eu possa ser um ser humano melhor.
Que o outro,'o diferente' e excluído da religião seja por qualquer motivo,veja o Cristo em mim,e possa se sentir acolhido.
Não pelo que eu fale,ou esteja vestindo,mas pela minha atitude,meu comportamento espontâneo e ‘bom’ de ser.

terça-feira, 24 de abril de 2012

O 'simples' me encanta...




Uma vontade absurda de viver livre...
tomar um banho de cachoeira e me lavar de todo esse falso moralismo,de toda negatividade.
Me afastar desse mundo fútil,onde pessoas vivem em função das outras,onde a sociedade não exerce o seu direito de ser...
De ser livre.
Pessoas vivem presas à uma liberdade inexistente.
E dão valor exagerado a coisas insignificantes.
Valorizam um celular ultima geração,quando o bom mesmo é o olho no olho;
valorizam uma roupa de grife,quando o bom é o toque na pele;
assistem assiduamente  um reality show,quando o bom é poder ser presença na vida de alguém querido;
Valorizam um ‘bom carro’,quando o bom mesmo é poder caminhar e admirar a natureza que nos foi dada com tanto amor;
Vivem presas a uma ‘liberdade’ que a mídia hipócrita nos enfia goela a baixo.
Esquecem de como é bom viver livre.
Como é bom sentir o vento.
Como é bom ver o sol nascer...
...ver o sol se por.
Como é bom rever amigos antigos,ouvir musica alta;andar descalço na terra;subir em árvore;correr na chuva;beijar na boca;abraço apertado;cantar no chuveiro.
Como é bonito e profundo um toque no rosto...
Aaa...
...se as pessoas soubessem como é bom viver...
Como é bom viver livre.
Como é bom ser.
Como é bom o simples.
Como é belo o existir...
...o livre e verdadeiro significado de existir.
Livremente viver,sem máscaras,prisões e futilidades...
Simplesmente viver a simplicidade das coisas belas da vida.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Saudade-S...
Não sei se no plural (nós) ou singular (você).
Só sei que sinto a l t a.
Saudades!
Agimos certo sem querer,Foi só o tempo que errou...

domingo, 15 de abril de 2012

'...inteira intensa,intenso nós...'





E mais uma vez eu consigo ser eu.INTENSA...
Porque você só é você mesmo se você ama alguém,caso contrário você é um perfeito ator.
E eu estive por algum tempo ator.
Ator da minha própria vida,da minha própria peça,do meu próprio filme.
Mas hoje ele chegou,bateu na porta e quando eu vi de quem se tratava não resisti...
Abri todas as portas e janelas do meu coração,escancarei tudo e permiti que entrasse;
Me permiti existir,me permiti ser,me permiti sentir.
Aaa o amor...
É como se não tivesse resistido e saltado de um penhasco.
Em queda livre estou...
Posso sentir o vento tomar conta de mim;INTEIRA.
É como me deparar com um prato de brigadeiro e atacá-lo,não deixando sobrar nem mesmo uma gota de chocolate,raspando todos os cantos do prato.
E assim,sendo eu novamente,deixando de lado os personagens,sendo intensamente INTENSA;
Com todas os sons,todos os sonhos,todas vontades,todo amor,todo ser,toda escancarada,tocando em todas as letras e vivendo-as intensamente.
Não sei ser metade.
Meio chata,meio nervosa,meio amando,meio odiando,meio feliz ou meio triste.
Eu gosto mesmo é de amar,de me permitir ser.
Gosto desse frio na barriga,gosto do cheiro do amor,gosto das aventuras,gosto do gosto de me arriscar.
Gosto de ser INTENSA.
Gosto de ser INTEIRA.
Não metade minha e metade sua.
Mas INTEIRA sua.
Inteira amor.
Inteira minha.
Inteira você.
inteira intensa.
INTENSO nós.

sábado, 14 de abril de 2012

Nova saudade! (?)

"Eu constantemente sinto saudade das coisas que perco, mas não as quero de volta. Já doeu uma vez." Caio


Sinto saudade  do que sentia.
Mas não quero sentir novamente.
Pelo menos,não pela mesma pessoa ou da mesma forma...
Que eu sinta.
Que doa.
Que sangre.
Que eu morra e viva,ou que renasça e morra novamente...
...Mas que seja TUDO novo.
A dor,o viver,o sentir e por consequência de novos viveres,uma "nova saudade." (?)


Mas somos medo e desejo,Somos feitos de silêncio e som.
Tem certas coisas que eu não sei dizer...  ♪♫ 
(Certas Coisas Lenine)



terça-feira, 10 de abril de 2012

Ser.Amor


Sinto-me como uma criança que na sua fragilidade necessita de cuidados o tempo todo...
...talvez eu ainda seja criança...
Uma criança de 20 e poucos anos que necessita de toques suaves,de palavras bonitas e demonstrações de afeto.
Uma criança crescida que hoje conhece e já pôde ‘tocar’ no amor.
É,ele(o amor),se fez concreto e se deixou ser tocado por mim,uma única vez..
E o tocando,talvez o tenha  assustado com minha intensidade em viver e amar;e partiu.
Partiu da minha vida,não sei se voltará.
Sua ausência hoje não somente sentida,é também notada,perceptível a olho nu.
Hoje,a criança crescida,anseia por novamente amar.
Por ver.
Por tocar e sentir este ‘abstrato/concreto’.
Anseia por restaurar em si,sua maturidade no sentir.
No ser.
No não ser.
Não ser mais criança,não ser mais frágil.
E...
Ser.
Ser amor.
Ser,presença.
Ser,toque.
Ser,afeto.
Ser concreta no amor,no sentido abstrato da palavra.
Ser.
Amor.
Ser amor;
Amadurecido(a).

Enquanto estiver vivo, sinta-se vivo.





Se sentir saudades do que fazia, volte a fazê-lo. Não viva de fotografias amareladas. Continue, quando todos esperam que desistas. Não deixe que enferruje o ferro que existe em você. Faça com que em vez de pena, tenham respeito por você. Quando não conseguir correr através dos anos, trote. Quando não conseguir trotar, caminhe. Quando não conseguir caminhar, use uma bengala.
Muitas vezes as pessoas são egocêntricas, ilógicas e insensatas, perdoe-as assim mesmo. Se você é gentil, as pessoas podem acusá-lo de egoísta, interesseiro, seja gentil, assim mesmo. Se você é um vencedor, terá alguns falsos amigos e alguns inimigos verdadeiros, vença assim mesmo. Se você é honesto e franco, as pessoas podem enganá-lo, seja honesto assim mesmo. O que você levou anos para construir, alguém pode destruir de uma hora para outra, construa assim mesmo.
Se você tem paz e é feliz, as pessoas podem sentir inveja, seja feliz assim mesmo. Dê ao mundo o melhor de você, mas isso pode nunca ser o bastante. Dê o melhor de você assim mesmo. Veja que, no final das contas, é entre você e Deus. Nunca foi entre você e as outras pessoas.'

-Madre Teresa de Calcutá

terça-feira, 3 de abril de 2012

"Esboço"


Sinto uma profunda falta...
Minha necessidade vai além de precisar de abraços e demonstrações de carinho...
Sinto falta do que eu não vivi,e mais ainda,do que eu não posso viver.
Vivendo uma alto-flagelação simplesmente por querer e não poder.
Não poder viver como gostaria,não poder fazer como gostaria.
Não poder exercer minha liberdade como acho que deveria.
Vivendo o clímax do ‘não poder’,eu prefiro sonhar...
Sonhar acordada,imaginando como seria se meus espaços fossem preenchidos;
Meus desejos saciados;minhas vontades cumpridas  meus sonhos realizados e meu esboço concluído.

domingo, 1 de abril de 2012


...Eu sinto que sei que sou um tanto bem maior!
















"O Teatro Mágico
Pena"

"Gritos silenciosos"


Um silêncio ensurdecedor...
Pensamentos que gritam e brigam entre si,pra ver qual deles chama mais  minha atenção.
O que incomoda,não são nem as vozes das pessoas lá fora.
Mas as vozes que ecoam aqui dentro,dentro de mim;que querendo ou não,eu as tenho que ouvir.
O fato é,escutando-as nada muda.
Os sentimentos,afetos e desafetos,tristezas e alegrias,nostalgia,raiva,dúvidas,saudades,paz...
Continuam desordenados,como num labirinto,gritando silenciosamente dentro de mim.



sexta-feira, 30 de março de 2012

"Meu filme em preto e branco"


Poetizando as faltas cometidas por mim,
por nós,assistindo-as como num filme,em que me encontro sozinha num cinema escuro.
Com os olhos fechados,mas com as feridas ainda abertas.
Me vejo menina,criança,brinco num parque em uma tarde pálida de outono.
Em um curto espaço de tempo,que se passam despercebidos por mim,
um príncipe me aparece,toca-me suavemente o rosto,acaricia-me os cabelos e sem hesitar apaixono-me por seus olhos.
Seus olhos quase fechados,pareciam querer esconder-me que também se apaixonara.
Vivemos intensamente longos segundos,ou milésimos talvez, a paixão que ambos sentiam.
Adentramo-nos em nosso ‘sentir’ e pude viver junto a ti,os anos de experiência que tinha à minha frente,encantei-me com suas histórias e viveres.
Nesse adentrar pisamos em falso,tropeçamos logo na entrada de nossos sentidos, machucamo-nos,ferimos-nos não sei ao certo.
Como se houvesse caído uma tempestade na 'fogueira que vivíamos',nosso sentir,fogo,paixão se apagara repentinamente deixando-nos feridos,marcados, eternamente.
Abro os olhos.
Ainda nessa escuridão que é minha,e talvez seja nossa.
Gravo e regravo em meu querer sentir novamente,o final desse filme.
Como seria,se ainda sentes,se também vê e revê nosso filme,trancado sozinho em um cinema escuro do outro lado do planeta.
Aguardo quem sabe,que o destino seja um bom diretor como os de Hollywood.
 E faça o 'the end',ou 'continues' desse preto e branco,um  colorido.