quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Odeio amar você


Se não é eu quem vai fazer você feliz,guerra.♪♫

Percebi o quanto te odeio.
Odeio a forma como você invadiu meu coração,da mesma maneira que os 'sem terra' invadem e permanecem.
Odeio não conseguir pedir a reapropriação das 'minhas terras'.
Odeio a forma como me permiti ser conquistada.
Odeio assumir esse ciumesinho chato que insiste em cutucar meu coração.
Odeio não mais participar do seu dia-a-dia.Odeio você não dividi-lo mais comigo.
Odeio me sentir esquecida por você,como se não tivesse feito a mínima importância.
Odeio a sensação de te dividir com qualquer pessoa que seja.
Odeio aceitar que terei que ficar com os seus restinhos...
Restinho de atenção,restinho de amor,de afeto,de carinho.
Odeio levar em consideração a hipótese de ter sido esquecida,de não ter sido tão importante quanto foste para mim.
Odeio a forma como ocupou todos os espaços do meu coração,e como supriu todas as minhas necessidades.
Odeio a forma como me tornei dependente de seus sorrisos e lágrimas.
Odeio não estar mais ao seu lado.
Odeio a forma como você foi embora da minha vida.
Odeio imaginar que você pode ter perdido o caminho de volta.
Odeio como seu abraço me escondia e me protegia do mundo.
Odeio ter tantas lembranças lindas ao seu lado.
Odeio a forma como você me aceitou,sem nunca me julgar.
Odeio rever a forma como me acolhia.
Odeio lembrar de que só você me olhava de dentro,pra dentro de mim.
Odeio amar tanto alguém,e ser mal interpretada.
Odeio não poder demostrar.
Odeio me sentir presa dentro de mim mesma.
Odeio todos os que roubam seus sorrisos que eram meus.
Odeio não poder fazer parte da sua felicidade.
Odeio tentar te odiar,e fracassar.

Se não é eu quem vai fazer você feliz,guerra.♪♫



sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Sim salabim...

Ter tanto pra falar e não conseguir extrair exatamente.A arte que eu domino...
Coloca uma música boa no pc,faz um passeio pelas lembranças e pensamentos,para tentar tirar algo de dentro da cartola, assim,como uma mágica mesmo.
Mas,se tratando de sentimentos,não dá pra se fazer mágica,ou existe ou não.Simples assim.
Simples?
Nem sempre.
Nem sempre o que se passa dentro de nós, é simples como 1+1,por exemplo.
Talvez,por isso,só as palavras consigam nos traduzir.
Porque a matemática é simples demais,exata demais pra se traduzir sentimentos tão complexos,tão diferentes,tão ímpares,tão particulares,tão nossos.
A matemática não traduz,porque ela é exata (com suas fórmulas nada mágicas),pra todos que a usarem,independentemente.
O resultado será o mesmo,para mim e para você,(se fizermos a conta corretamente,claro).
As palavras não.Elas nos traduzem porque elas tem vida própria,personalidade própria.
Posso usar as mesmas palavras que você,e traduzir sentimentos diferentes.
Não é simples isso.Não dá pra ser simples como matemática,simples como mágica.
É complexo mesmo,e às vezes nem eu mesma intendo.
Porém,elas (as palavras) voam como pássaros quando soltos da gaiola,quando soltos da gaiola/coração.
E conseguem fazer o eterno paradoxo,em mágica simples.
A música continua tocando,e eu percebo que saiu algo em que eu desconhecia.
Nunca fui íntima da matemática,e consegui anexá-la à um texto,onde eu queria falar de sentimentos nada simples.
É,ficou estranho isso.
Matemática,mágica e português juntos,extraindo a loucura de alguém que mergulha dentro de si,pra tirar o que lhe incomoda,ou não.
A mágica  de falar de sentimentos e confundir o leitor.
Ok Juh,vamos parar por aqui,antes que piore.
Disse que não conseguiria falar exatamente né?
Essa coisa de exatas,não é comigo.
Ainda bem que eu falo do mundo do sentir,ou sente ou não.
E hoje eu sinto.Muito tudo.Como sempre.
Melhor assim.Sem mágicas.
Conseguindo ser exata,ou não.

Eu me fiz entender?

Coisa de louco,extraindo minha bagunça interior.

PS: 'Ter tanto pra falar e não conseguir extrair exatamente.A arte que eu domino'


"Sim salabim,confusão"

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Se o encontrar,devolva-o por favor

Fui assaltada.
Me roubaram um amigo e agora?...
Me tiraram os sorrisos sinceros.
Tiraram meu esconderijo,aquele abraço...
O único abraço onde eu podia me esconder e me perder...
Me tiraram os telefonemas antes de dormir.
Os telefonemas as 06:00 hs pra me deixar irritada por me acordar tão cedo.Coisa de melhores amigos.
Me tiraram as visitas inesperadas.
Os passeios a tarde.
Os papos à beira do lago,admirando a beleza da natureza.
Me tiraram meu porto seguro.
Meus papos filosóficos.
Me roubaram meus olhos,meu sorriso,meu tato.
Me roubaram todos os sentidos que me faziam sentir,aprender e viver.
Tiraram o ar dos meus pulmões,o sopro das minhas narinas.
Me roubaram os suspiros,após longos minutos em crise de riso.
Me tiraram os ouvidos,hoje não há mais ouvidos pra me escutar.
Me tiraram os ombros onde eu podia descansar e relaxar.
Me devolveram a máscara de sorriso fixo no rosto,tiraram minha autenticidade de ser.
Hoje finjo que vivo...Assim,meio morto.
Meio feliz,meio sorriso,meio abraço,meio oi.
Me tiraram as tardes de brigadeiro e gargalhadas.
Me roubaram tudo o que eu era,ou,que eu sou.
É tanta confusão.
É tanta saudade.
São tantas palavras não ditas.
É tanto ' e agora?',tantas ruas sem saída,que me perco.
Me perco,porque me roubaram os olhos,lembra?
Já não sei mais o que sou,o que quero,o que devo ou não fazer.
As ruas são escuras,e desacompanhada eu tenho medo de sair do lugar,e dar um passo que seja.
Quanta melancolia...
Palavras e sentidos desordenados.Porque é assim que tá tudo aqui dentro.
Essa bagunça no escuro.
Esperando que me devolvam meu presente,a lanterna que me iluminava,pra que eu volte a ver.
Volte a viver.
Volte a ser.

Entre soluços e lágrimas,exteriorizando a tristeza de um assalto.
Me roubaram um amigo!
Se o encontrar,devolva-o o por favor.