quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Camisa errada


Cheguei em casa, tirei a roupa de trabalho e como se fosse para uma batalha de guerra, me equipei.
Calcei as chuteiras, vesti os meiões, caneleiras e por fim, a camisa do time. Estava pronta, sempre pronta por sinal.
Saí com 30 minutos de antecedência, que era pra não chegar atrasada, causar sempre uma boa impressão ao time.
Entrei pro vestiário ainda faltava algumas pessoas, mas não importava porque eu estava lá, cumprindo com meu dever, fazendo tudo milimetricamente correto,para compensar a desordem do lado de dentro.
Hora do jogo, entro em campo como se minha mãe me visse jogar, com toda euforia de uma criança, jogo.
Faço gols, faço faltas, levo faltas, juíz filho da puta, 90 minutos em ação. (Parece pouco quando se está do lado de fora).
Fim de jogo.
Me direciono novamente ao vestiário, está cheio, treinador animado com a vitória de hoje. Parabéns pra todo mundo, vamos comemorar no bar da esquina.
Fomos todos, embora parecesse um peixe fora dágua, meu lugar é realmente o campo, pensava eu.
Fim das comemorações, de volta ao apê...
Hora de retirar a armadura da batalha de hoje, me desmonto, l i t e r a l m e n t e.
Sem chuteira, sem caneleira, calção ou camisa, percebo ter vestido a camisa do time errado.
Não era essa, não era esse o jogo, não era esse o time, nem esse adversário.
Tudo bem, ganhamos.
Ganhamos?

Hora de jogar o jogo certo
...
oops, errei de novo. Camisa errada!