terça-feira, 11 de outubro de 2016

Tempestade


Elizabeth gosta de dias nublados da mesma forma que ama o barulho da chuva caindo lá fora.
Acontece que às vezes chove aqui dentro também, e ela... bem, ela se molha.
Ta na chuva é pra se molhar.
E ela se permite molhar e umedecer o ambiente, entende que isso é bom... Aproveita pra limpar a casa já que a chuva leva a poeira embora.
Passa pano, lustra os móveis, troca-os de lugar, joga algumas coisas fora - não carece de guardá-las mais.
"Nada como uma casa limpa." Ela pensa.
Hoje é um desses dias... Tá caindo o mundo lá fora, mas aqui dentro as coisas começam a se reerguer.
É que a chuva lava e leva embora o que não precisa mais ficar.
E quem precisa de casa empoeirada não é mesmo?
Elizabet sofre de rinite alérgica... às vezes é inconsequente com sua saúde, mas quando percebe a poeira em que sua casa está afundada, deixa a chuva lavar.
Faz bem pras plantas, pra terra, pros bichos e mata os ácaros encrustados na alma.
Chuva de paz interior... Alma limpa.
Carece de se permitir ter paz.
E ela... bem... se encharca porque não é mulher de chuviscos.
Ela é tempestade.